Eu cheguei aqui em Andaraí quando meus avos que me criavam morreu, meu avô e minha avó, a mãe do meu pai. Eu cheguei em Andaraí em procura da minha mãe, mas não, eu cheguei com irmão, mas ele adolesceu, ficou assim, não conversa mais... em Xique-Xique.

Essa aqui é bisneta, eu estava mostrando, é... dois gêmeas, esqueci o nome dele... olha a menina... mas estão todos em São Paulo... é meu bisneto, que é neto de um filho meu e mora em São Paulo, todo mundo conhece. Quem mandou foi meu neto, lá de São Paulo, o Branquinho: “Manda para minha avó que ela não vai ver meus filhos”.

Eu não uso assim, só para enfeite... as crianças não conheço não, por isso mandou a caneta... em pessoa não conheço.

Eu lembro que eu estou na idade que não posso conhecer pessoalmente, tem muita satisfação que ele teve essa atenção de mandar para mim, porque eu em São Paulo o que, meu filho? Gente feia como eu fazer lá o que mais?

Eu não sei se vem, deve vir, de vez em quanto.

É importante porque eu não vi meus netos, estou vendo na xícara, para mim é um prazer. De vez em quando, quando eu estou com saudade eu olho para ela assim...

< Compartilha essa lembrança >


Imagens


Gabinete imagem
Colectivo Infinitos Monos 2015 by Javier Cruz