Eu lembro daqui, da cidade que era pequenininha. Quando eu era rapaz, aqui e Conquista era tudo miudinho. Eu andava Conquista toda em menos de uma hora de relógio. Já hoje, chega lá e não pode nem sair.

Trabalhei em Brumado, trabalhei na capital mais um cunhado meu, trabalhei aqui nas estradas tudo, trabalhei num campo de aviação que quem tomou conta pra fazer metade fui eu. O empreiteiro me pegou para tomar conta e prometemos a coisa e eu fiz.

O que me lembra é isso. Eu não tive escola, não tive estudo, aquele tempo meu pai não podia, as coisas eram brabas. Com 18 anos, eu fui para a escola noturna só para tirar o título. Tirei e acabou. Foi isso mesmo, foram só três meses de escola noturna.

Aí eu trabalhava mais meu pai.

Eu era do mundo, mas morava na roça também. Quando eu completei 20 anos, eu sai pelo mundo.

Fiquei junto de meu pai trabalhando mais ele. Fiquei nisso, na roça e na arte lá.

Tudo é antigo, tudo é coisa antiga. Quantos anos? Não, aqui é feito agora.

Eu comecei a trabalhar com 20 anos, eu já tenho 64 anos trabalhando nisso. E também trabalhava muito na roça, tinha um sítio lá. Trabalhava na roça e com meu pai. Meus filhos nenhum aprenderam nada disso. Não quiseram não. Também é muito pesado esse serviço.

Aqui é o freio do animal. Não tá pronto não, mas é o freio. Aqui se trata de formiga e aqui espora, põe na venta do boi pra amansar.

< Compartilha essa lembrança >


Imagens


Gabinete imagem
Colectivo Infinitos Monos 2015 by Javier Cruz